domingo, 19 de novembro de 2017

MÃE QUERIDA

Resultado de imagem para paisagens lindas

Aqui, à distância, saudoso de ti
Relembro meus dias em teu regaço!
Sinto, ainda, a força do teu abraço
Como no tempo em que aí vivi.

Aqui, ó minha terra, mãe adorada,
Tão longe desse encanto sem medida,
Sinto ainda o momento da partida
Tão triste, tão custosa, mãe amada.

Em breve hei de voltar, mãe querida,
À tua paz, teu aconchego, minha vida!
Desfrutar do teu amor, meu doce bem.

Ao chegar hei de beijar teu amado solo!
Aconchegar-me- ei em teu saudoso colo,
Feliz hei-de agradecer-te, querida mãe.

Quinta da Piedade, 19 de novembro de 2017
JGRBranquinho  -   “J. Little White”



sexta-feira, 17 de novembro de 2017

CANTO O SPORTING

CANTO O SPORTING  (Acróstico)

Canto o Sporting! Meu canto é de alvorada
Aleluias mil p’lo seu real valor.
Novas jornadas de intenso brilho por jornada
Toda uma história feita de esplendor.
Odes cantarei (a voz bem colocada)
Onde estiver seu símbolo, seja onde for!
Sporting é também cultura consagrada
Por quantos o servem com denodo, com amor.
O sonho é grande! O Clube, ainda maior!
Raiará, dia a dia, um sol de mais fulgor
Tornando-o, hora a hora, vitorioso.
Intemerato é o querer que nos anima
Nesta mística que o nosso ser domina
Gerando um SPORTING cada dia mais grandioso.

JGRBranquinho  -  Sócio n.º 1.565-0


domingo, 12 de novembro de 2017

TEU SILÊNCIO


Resultado de imagem para Inquietude no amor

Teu silêncio,
que significado tem?
Por tal motivo,
vivo inquieto, meu Amor.
Que foi que aconteceu,
estremecida Flor?!
Que mal te fez teu poeta,
adorado bem?
O teu silêncio magoa,
 entristece,
o pobre poeta
que tanto te ama!
Qual a razão
do estiolar dessa chama
que iluminava alguém
que te não esquece?
Amanhã, irei procurar-te
na cidade.
Quero saber, meu Amor,
toda a verdade.

NOTA:- Sem data.
JGRBranquinho  -  Little White



terça-feira, 7 de novembro de 2017

O MEU VOTO


Resultado de imagem para imagens bonitas

Vi mulheres lindas
como a aurora!
Mulheres muito belas,
sem vaidade.
Jovens mulheres
que amei de verdade
Mulheres de que tenho
Saudades, agora.
 Em Coimbra,
Lisboa e Portalegre
Namorei sem pecado,
sem maldade!
Esta, amigos,
a minha realidade
Sentida confissão
dum ser alegre.
Hoje… recordo-as
saudosamente!
Foram pessoas
que deveras amei,
que guardo
em meu coração.
Um voto aqui deixo
 bem sentido
(que julgo me é permitido)
Que Deus as tenha
sob sua proteção.

Quinta da Piedade, 7 de outubro de 2017
JGRBranquinho   -   “Little White”




ÁRBITRA ALEMÃ

domingo, 5 de novembro de 2017

ACASO OU DESTINO

ACASO OU DESTINO

Sei quanto amei, quanto te amo, minha Flor, desde o longínquo tempo em que nos encontrámos e conhecemos-
Por um acaso (ou foi obra do Destino?) cruzámo-nos numa tarde soalheira de outono, ainda nos primeiros dias de aulas, na altura no mês de outubro.
Imagem intercalada 1Logo reparei, de modo especial, na tua figurinha de jovem adolescente!
Não nos conhecíamos, (nunca nos tínhamos visto) saudámo-nos com “um boa tarde” e cada um seguiu o seu caminho.
Volvidos curtos momentos- dados “meia- dúzia" de passos, olhei para trás (e… Santo Deus!) nossos olhares se encontraram!
A minha vontade era ter logo voltado para trás e, se não o fiz, foi só por acanhamento.
Chegado ao local onde me dirigia, (a casa de meus avós, no sítio das Hortas) assim que pude, cumprida a missão que ali me levava, despedi-me e voltei correndo à tua procura, coração alvoroçado.
Por sorte, fiquei a saber por que razão ali estavas e, logo na manhã seguinte, voltei a essa velhinha estrada procurando ver-te de novo.
Assim aconteceu e logo decidi que te ia escrever. Enviei a carta por mão própria e, agora, era só esperar por uma resposta agradável.
Alguma incerteza em mim, levava-me a recear, embora (intimamente) confiando e desejando, apaixonado como estava, numa aceitação por tua parte.
Foram breves, embora me parecessem bem longos, os dias em que aguardei a tua ansiada resposta.
Certezas, na verdade, não as tinha, mas era tal a paixão que sentia, que, por isso, também não queria admitir que não aceitasses o meu pedido de namoro.
Debatia-me entre dúvidas e esperanças e, a cada dia que passava, esperava receber essa missiva de assentimento, que tanto almejava.
No dia 31 de outubro (era sábado, véspera do Dia de Todos os Santos) veio a Luísa, então, trazer-me em mão essa bendita mensageira de amor que eu tanto aguardava!
Não é possível, ainda hoje, descrever o que então senti! Era, verdadeiramente o meu primeiro namoro, pois, até ali, eram apenas coisas de criança.
Senti a tentação de contar a toda a gente o que me estava a acontecer, tal era a minha alegria, mas não era preciso, pois num meio pequeno como era aquele, logo se viria a saber; apenas o fiz a familiares e amigos mais chegados.
Nos dias seguintes, acordava ansioso, feliz, e lá ia eu para a porta à espera de te ver passar para a Escola. Víamo-nos todos os dias e todos os dias trocávamos bilhetinhos, (os teus artisticamente dobrados), que eram o meu encanto e que avidamente lia!
Por razões que não nos convenciam, começaram a surgir obstáculos, mas que nós, habilmente, lá íamos contornando, pois nos amávamos verdadeiramente.
Mais tarde, na cidade, tornou-se mais fácil e demos largas ao nosso amor, embora sempre contando com alguma má-vontade, que não aceitávamos de modo algum, gerando em nós revolta que nos atormentava. Então, procurávamos, como bem te lembras, de comum acordo, os lugares mais recônditos para nos encontrarmos e isso nos ia confortando.
Quantas vezes falámos em resolver, de vez, o problema, mas éramos muito novos
e as dificuldades eram insuperáveis, não tendo nós condições para agir, limitando-nos a aguardar melhores dias, embora a muito custo.
Depois, foi o que tu sabes e que, agora, já tão tarde, não podemos alterar, seguindo cada um o seu caminho paralelo.
Foi o Destino a ditar as suas leis.

NOTA:-
 Como me pediste há tempos, aqui deixo este resumido apontamento, lembrando aquele tempo de alegrias e, também de dores, por tanto nos amarmos.
Faz o que quiseres deste escrito, embora me dissesses e acredite que gostasses de o guardar.
Até sempre!
O meu apertado abraço.
L.White.