domingo, 29 de junho de 2014






IMAGINEMO-NOS NO NOSSO ESTÁDIO, PRESTES A  INICIAR-SE  UM JOGO

CAMISOLA VERDE BRANCA
AO PEITO O "LEÃO"
ENTRAM OS JOGADORES
GARBOSOS, APRUMADOS!
SOAM MAIS APLAUSOS
BATE MAIS O CORAÇÃO
ESTÃO TODOS OS OLHOS
NELES CONCENTRADOS.

COMEÇA O JOGO
O ENTUSIASMO AUMENTA
HÁ QUEM DESFALEÇA
TÃO FORTE A EMOÇÃO!
SUCEDEM-SE OS LANCES
CADA QUAL COMENTA
É CADA VEZ MAIOR
A EXALTAÇÃO.

INQUIETA...
QUER O GOLO
A MULTIDÃO SUSPENSA!
HÁ GRITOS P'LO AR
ESTÃO TODOS A SOFRER
IMPORTANTE É GANHAR.
NINGUÉM ARREDA PÉ
NAQUELA MOLE IMENSA
SÓ A VITÓRIA INTERESSA
NINGUÉM SONHA PERDER.

SURGE, ENTÃO, O GOLO 
DA NOSSA VITÓRIA!
HÁ ALEGRIA A RODOS
SAUDAÇÕES SEM PAR!
ALI SE FORTALECE
NOSSO ORGULHO, 
NOSSA GLÓRIA
NUMA CAVALGADA
QUE NINGUÉM VAI PARAR.

ACABA O JOGO
HÁ VIVAS,
ABRAÇOS EM PROFUSÃO!
NOS ROSTOS
ALEGRIA INCONTIDA
SEM IGUAL!
EXULTA EM PLENO
CADA CORAÇÃO
É MAIS UMA VITÓRIA.
 GLÓRIA, SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!

Com os meus respeitosos cumprimentos,
Sl.

O diretor do Departamento de Cultura e Recreio

José Garção Ribeiro Branquinho- Sócio Cinquentenário do
 SPORTING CLUBE DE PORTUGAL.

PASSAM AS HORAS




PASSAM  AS  HORAS

Passam as horas...
      sucedem-se os dias
                  na minha cidade!
Percorro seus recantos-
                   minha saudade.

Quisera estar alegre
     -M U L H E R-
          -por nosso amor!
Não quisera mais chorar
         só por hoje te não ver!,.
Sabendo que nos amamos
          e manhã te posso ter...
Acalmando esta inquetação,
          reflexo desta dor.

Passam as horas,
     sucedem-se, também,
               longas noites sem ti.
Há revolta em mim
                pois te quero tanto!
Vou procurar-te
                e não te encontro aqui
E sofro  tanto
                por meu desencanto.

Hás de voltar-
        - meu  A M O R -
              -mas vem depressa!
Sossega o meu coração
             que por ti chama.
Sem ti, aqui,
             nada mais me interessa
Todo o meu ser
             .por ti reclama.

Quinta da Piedade, 29 de junho de 2014
JGRBranquinho
     


sexta-feira, 27 de junho de 2014

VAI LONGE O TEMPO



VAI  LONGE  O  TEMPO

Vai longe o tempo da minha primavera!
De meus verdes anos- cantada alegria.
De meus sonhos de vida, minha fantasia
Em meu recanto d'encanto- saudosa era.

Está muito longe, mas nunca esquecido!
Bem vivo na memória de quem o viveu.
Pela felicidade que o Céu me concedeu
P'lo viver em paz que me foi concedido.

Está longe, sim, mas não esqueço e agradeço
A DEUS por tanto bem! Será que o mereço?
Sei que errei, que pequei, mas peço perdão.

Com olhos de misericórdia... o mesmo DEUS
Me julgue, em SUA BONDADE, plos erros meus
Me conceda por SEU SANTO AMOR, a salvação.

Quinta da Piedade, 26 de junho de 2014
JGRBranquinho





terça-feira, 24 de junho de 2014

MEMÓRIA INCENDIADA





MEMÓRIA INCENDIADA

Minha memória se incendiou e fez-se luz em meu ser saudoso!
Volvi ao passado longínquo, ao tempo da minha mocidade radiosa, onde tudo eram rosas no meu jardim viçoso, exuberante, todo ela cor e perfume.
Recordei com alegria e saudade uma era de sonhos- os mais belos!- quando ainda olhava para a vida sem preocupações de maior, a não ser a dos estudos, que, felizmente, decorriam com regularidade.
A saúde era coisa em que nem pensava, por não faltar, não sabendo, pois, o que era a sua falta nem as suas consequências. Pudera!
Os dias sucediam-se aos dias, sob a proteção dos pais, avós e outros familiares.
 A escola era um bom lugar (apesar da distância a percorrer todos os dias desde a minha aldeia-Ribeira de Nisa- a seis quilómetros) e onde a convivência com novos amigos na cidade, fortalecia a vontade de viver, participando nas atividades desportivas e culturais que se tinham naquele tempo, mesmo numa cidade do interior como Portalegre
Frequentava, ali, a Escola Industrial Fradêsso da Silveira, cujo curso completei, continuando depois os estudos no Liceu Mouzinho da Silveira.
Começa, então, o tempo natural do namorico e, aí, as coisas começaram a mudar um pouco, como se calcula.
As primeiras paixonetas, as primeiras cartas de amor e o tempo a ter que ser dividido entre o compromisso dos estudos e o namoro.
Em vez de constituir um problema, foi mais um motivo- e grande- para gostar de viver e ver a vida sob outro prisma.
Tudo agora era ainda mais atrativo! Que entusiasmo! Que alegria poder receber uma cartinha de amor, mesmo tendo a oportunidade de falar com a bem-amada, durante o dia!
(As coisas só começam a complicar-se a partir do dia em que surgem outras raparigas que despertam interesse e a vaidade nos invade, a ponto de querermos ter mais que uma!...)
Lembro-me bem deste estado de espírito- que me causou alguns dissabores- mas que faz parte da vida- e atire a primeira pedra aquele que não passou por isso.
Começa uma nova era de diversão, sem que a julguemos mal, pois tudo nos parece ser permitido!
É o amor a fazer das suas e… pronto!
Tempos bons, onde não víamos maldade. Divertìamo-nos!
As coisas lá se iam compondo, até que chega a altura de assentar!...
A vida começa a ser olhada sob outra ótica e, completados os estudos, é altura, então, de nos assumirmos como responsáveis, tendo já o curso e obtido o primeiro emprego, que, no meu caso, foi o primeiro e último, numa carreira docente de que guardo, também, boas recordações.
Hoje, aposentado, é bom poder recordar! Recordar todos os momentos, até os menos bons, pois com todos eles aprendemos.
Graças a Deus posso fazê-lo, pois a memória ainda não me atraiçoa.
Agradeço-TE - meu DEUS, meu PAI-  por mais esta graça.

 Quinta da Piedade, 24 de junho de 2014.
JGRBranquinho

(Continua)
JBranquinho

domingo, 22 de junho de 2014

SOBRE O TEMPO



SOBRE  O  TEMPO

Chove lá fora num tempo que se queria de calor!
O tempo invernoso que se fez sentir até aqui, não tem dado tréguas.
Julgo que já chega!...
Mas que fazer, se nada podemos contra as forças da Natureza?!
Lamentam-se todos.
Uns, porque  estão fartos de tanta chuva, pela própria inibição
 de uma vida mais ao ar livre, pelo aumento de estados de depressão,
enfim, pela falta daquela alegria que só um belo dia de sol no traz.
Outros, porque as suas vidas estão muito dependentes do estado do tempo-
casos da agricultura e da pesca, especialmente-e também de tantas outras atividades
que por se desenvolverem ao ar livre, têm nisso, um sério obstáculo ao seu trabalho.
Sabendo todos que o tempo é o que é, só a inteligência humana pode obstar
a maiores prejuízos.
É preciso ir dando luta ao tempo que vai fazendo (sem quebras nem desânimos)  
e encontrar as melhores soluções para que a nossa vida não seja muito afetada, quer pela falta de chuva, quer pelas tempestades imprevisíveis, que de vez em quando nos assolam.
O nosso clima ainda é dos mais suaves- é verdade- mas, de acordo com o que são as tradições do País, muitas vezes temos razões de queixa, pois a economia ressente-se ao vermo-nos privados da possibilidade de exercermos funções e tarefas imprescíndiveis quer para o conforto, quer para para o sustento das famílias.
Por isso, enquanto é tempo, há que aprofundar o estudo sobre as diferenças climáticas, isto é, das condições adversas que têm surgido ultimamente. Aqui temos o grande papel das escolas nos mais diferentes graus de ensino e até o conselho de alguns anciãos que lidaram uma vida inteira com a terra e conhecem alguns dos seus segredos.
A Mãe Natureza tem sido muito mal aproveitada, muito mal tratada- mesmo- e, já cansada de tantas e tantas asneiras que sobre si se cometeram, muitas vezes já não corresponde às nossas solicitações.
Para agravamento da situação veio a política errada de proibir culturas (como as do olival e da vinha) geradora, também, do grande êxodo para a cidade e abandono dos campos, onde, ainda assim, se ia vivendo e produzindo alguma riqueza.
Os que ficaram foram envelhecendo e sem forças para cuidar a terra.
Os mais novos, que partiram, não aprenderam a cuidar dela e foram, por necessidade, à procura de trabalho- não qualificado na maior parte das vezes- e jamais voltaram à terra, saindo, inclusive, para o estrangeiro.
O nosso País será pequeno, cada vez mais pequeno, se não se promoverem políticas de retorno aos campos.
Há ainda muita terra para cuidar, não somente para a pastorícia!
A Mãe Natureza tem ainda muito para nos dar se a soubermos cuidar e respeitar.
É ESTE O NOSSO DEVER.
É ESTE O MEU CONSELHO.

Quinta da Piedade, 22 de junho de 2014
JGRBranquinho

domingo, 15 de junho de 2014

UMA PERGUNTA



UMA  PERGUNTA

Quem acordou o silêncio de nós dois
naquela manhã de outubro?!
Quem foi?!
Foi o acaso? Foi o Amor?
Quem esteve na origem
do despertar de nossos corpos,
de nossas almas?!
Porque acordámos daquela letargia?
Porque, já despertos,
nos encaminhámos pra aquele lugar?!
Porque nos encontrámos,
num desconhecimento total
de nossas vidas, até ali?
Quem nos guiou?!
Quem nos aproximou?!
Foi o tal destino de que tanto se fala?
Qual foi a força oculta
que nos auxiliou e orientou?!
Era o dia que havia de modificar
as nossas vidas!
Não tivemos consciência disso
na altura, naturalmente.
Falámos- um pouco a medo,
por minha parte.
Apesar disso, tomei a iniciativa, sim.
Despedimo-nos, sorrimos, separámo-nos.
Ficámos ambos agradados
por aquele fortuito encontro,
como soube depois, por ti.
(Eu só sabia de mim, lógico!)
No entanto, guardava no meu íntimo,
uma secreta esperança:-
-a de que te tivesse agradado, também.
Algo me dizia que tu me tinhas sentido…
Que eu te tinha tocado, também.
Terminou o dia, pôs-se o Sol
no horizonte arborizado
que nos cercava naquele lugar.
Lugar sagrado para nós!
Cada um caminhou em sentido oposto,
 trazendo na lembrança a imagem  do outro.
Soube que assim foi
pois mo confessaste mais tarde.
De mim, soube-o de imediato!
Disse-mo, o meu coração
num bater acelerado
que tão bem senti!
Foi o momento
do despertar do amor em nós!
Quem nos diria antes, ao acordarmos,
o que nos esperava?

QUEM ACORDOU O SILÊNCIO DE NÓS DOIS
NAQUELA MANHÃ DE OUTUBRO?!

Monte Carvalho, maio de 2014
JGRBranquinho



sábado, 14 de junho de 2014

O MEU DESEJO



Eu queria saber
 aonde estás agora-
-   Meu AMOR!
Saber se estás bem
como é meu desejo.
Ter este privilégio,
meu maior ensejo!
Acalmar de vez
minha enorme dor.

Aí poder estar contigo-
-   Meu AMOR!
Olhar-te bem nos olhos,
abraçar-te.
Dizer-te de viva voz
que vivo a amar-te
Que te consagro
todo o meu amor.

Viver contigo
o resto do nosso tempo-
-   Meu AMOR!
Desfrutarmos lado a lado
o melhor da vida!
Gratos ao Céu
por tanta graça obtida
Aguardando a outra vinda
do REDENTOR.

Quinta da Piedade, 14 de junho de 2014
JGRBranquinho



sexta-feira, 13 de junho de 2014

AMANHECE, ANOITECE





AMANHECE,  ANOITECE

Vão passando os dias
nesta viagem sobre a terra!
Amanhece, anoitece,
numa sequência que é normal.
Norma de vida
que a própria vida encerra
Cada um procurando o bem,
 jamais o mal.

Assim deveríamos ser:
- Procurar sempre o bem!
Cumprir as leis vigentes,
o próximo respeitando.
Seria o mundo bem melhor,
 não olhando a quem!...
Unidos num fraterno abraço,
 todos se amando.

Precisaríamos do Céu?
Seria  então o Céu aqui.

Quinta da Piedade, 13 de junho de 2014
JGRBranquinho


H O J E ...



H:O J E  ...

HOJE...
Dou graças a Deus
Por toda uma vida
já passada,
que me é querida!
Pela esta vida que vivo
 no momento.
Cheguei até aqui
pra meu próprio
contentamento
Grato ao Céu
por tanta graça tida.

HOJE...
Sou o que sou.
Sou quem sou!
Valho pouco,
mas, consciente,
não desisto,
Não perco a esperança!
Luto cada dia
para ser melhor.
HOJE...
agradeço quanto recebi.
Sonho, ainda,
um mundo bem melhor!
Sem ambição desmedida...
usufruir justamente
da paz de espírito
Do saber útil!
Da inspiração maior.

HOJE...
quero viver com o próximo
em harmonia!
Dormir tranquilo
consciente do bem que fiz.
Ser solidário,
ajudando quem precisa!
Dedicação sem limites
que não cansa.
Dar alegria aos tristes
sem esperança!
Ser feliz com eles,
dizendo-lhes convicto:
-Estou aqui ao vosso lado
dia-a- dia.

Quinta da Piedade, 13 de junho de 2014
JGRBranquinho



segunda-feira, 9 de junho de 2014

AOS AMIGOS POETAS/ESCRITORES DE H: P:

Mais uma vez, por favor, contactem-me por aqui:- poetabranquinho@gmail.com. Julgo que a nenhum de vós trará qualquer problema, embora eu seja um leigo no assunto...
O hotmail está de mal comigo e torna-me difícil o acesso.
O que vier para o Hotmail, já sabem...
Estou com vários problemas- "muito burrinhos a tocar"- e não tenho possibilidades nem tempo de fazer tantas coisas que gostaria.
Dirijam-me para o gmail indicado e tentarei responder a todas as v/ solicitações.
Se assim não for, corro o risco de ficar mal visto por vós, não respondendo atempadamente ao que escreveis.
Beijinhos e abraços.
14/02/2014
JBranquinho

domingo, 8 de junho de 2014

ENAMORADOS



ENAMORADOS
Deram-se as mãos, caminhando pela estrada
O Rei Sol a pique, iluminando a Natureza!
Tudo à sua volta eram motivos de beleza!
Para eles- os tais amantes- tudo era nada.

Caminhavam lado a lado. Isso lhes bastava!
Que importava o resto? Só do amor, a realeza
Tinham como importante- como sua certeza!
Nada por melhor que fosse lhes interessava.

Procuraram uma sombra na encosta ao lado.
Sentaram-se numa pedra entre a folhagem…
Amaram-se na volúpia de par enamorado.

Esqueceram as horas, comungaram seu amor!
Deram por finda tão louca, tão bela viagem
E agradeceram tal sorte com o maior fervor.

Quinta da Piedade, 8 de junho de 2014 
JGRBranquinho                           


MORRER DE AMOR



MORRER   DE   AMOR

Morrer de amor por ti
Aqui ou mais além
Onde eu estiver
Onde tu estiveres
Onde estivermos-
       -MEU AMOR-
É meu fado, é meu destino!

Perto ou longe de ti
nada altera a rota
deste barco da vida que vivo
 desde que te vi e conheci.
Este caminho já traçado
Que não recuso
 num fatal trajeto aceite de bom grado
pois que te amo neste amor de eternidade!
Que assumo ter em mim,
 num resistir por bem,
 pois que é para bem do amor
que a ti me liga
por laços indestrutíveis!
Laços que nos envolvem
Que não negamos
Que não negaremos jamais!

Somos dois num só querer
Onde o amor é rei
Onde não há sofrer
Onde o amor é lei.

Quinta da Piedade, 8 de junho de 2014
JGRBranquinho



sábado, 7 de junho de 2014

A MINHA HOMENAGEM AOS VENCEDORES DA TAÇA DAS TAÇAS- EM 1964

 

A MINHA HOMENAGEM
 AOS VENCEDORES DA TAÇA DAS TAÇAS NO ANO DE 1964

MUITOS ANOS DECORRIDOS
MAS NUNCA MAIS ESQUECIDOS
DESSA VITÓRIA SEM IGUAL!
A NOSSA EQUIPA FEZ HISTÓRIA
FOI DELA A VITÓRIA
FOI DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL.

GRANDES TARDES DE GLÓRIA
ESCRITAS EM NOSSA HISTÓRIA
POR GENIAIS JOGADORES!
DESSA ERA- A SAUDADE,
É EM NÓS REALIDADE
DE ATLETAS QUASE AMADORES.

QUE NOTÁVEIS JOGADORES
QUE JOGAVAM COM PRIMORES
NOSSO ORGULHO, DESDE ENTÃO.
PERTENCEM À NOSSA HISTÓRIA
FAUTORES DA MAIOR GLÓRIA
DESTE CLUBE CAMPEÃO.

SAUDEMOS POIS, COM CONVICÇÃO
DESPORTISTAS DE ELEIÇÃO
QUE MARAVILHAS FIZERAM!
NUNCA MAIS OS ESQUECEREMOS
ESTES E OS QUE JÁ PERDEMOS
QUE TANTA ALEGRIA NOS DERAM.

SALVE, POIS, POR TAL VALOR
QUE AFERVOROU ESTE AMOR
PLO SPORTING- O MAIS PROFUNDO!
NINGUÉM MAIS OS IGUALOU
E A SUA FAMA FICOU
EM PORTUGAL E NO MUNDO.

DITO POR MIM NO DIA 8 DE JUNHO DE 2014 no
 IX CONGRESSO DO SPORTING
ONDE FUI O DELEGADO N.º 151

José Garção Ribeiro Branquinho
Diretor do Departamento de Cultura e Recreio -Sócio n.º 1.769-0


É O S P O R T I N G




É    O    S  P  O  R  T  I  N  G

“ESFORÇO, DEDICAÇÃO, DEVOÇÃO E GLÓRIA
                         EIS O SPORTING”

É O SPORTING, SIM,
                     QUE NOS CONGREGA!
NOS ALEGRA, NOS PRENDE,
                     NOS MOTIVA
MANTENDO INTENSA EM NÓS
                     A LUZ DO SEU IDEAL!
É O SPORTING, SIM,
                      FORÇA QUE AGLUTINA
CERNE DA CHAMA QUENTE
                       QUE EM NÓS CREPITA
DE FULGOR BRILHANTE,
                       PUJANTE, SEM IGUAL.
É O SPORTING, SIM,
                       DESTE ENCONTRO, RAZÃO
MÓBIL DESTE QUERER,
                        O MAIS PROFUNDO!
ORIGEM  INCONTESTÁVEL
                        DESTE SENTIR/PAIXÃO.
ÍMAN QUE NOS UNE
                        ATRAVÉS DO MUNDO.
É SPORTING, SIM,
                        QUE TEMOS NO CORAÇÃO!
EM CADA DIA, POR ELE, SIM,
                         ESFORÇO, DEDICAÇÃO E DEVOÇÃO
PARA O COLOCARMOS
                          NA SENDA DA VITÓRIA.
É O SPORTING, SIM,
                           QUE QUEREMOS ENRIQUECER
QUE EM CADA INSTANTE
                            PROCURAMOS ENGRANDECER
LUTANDO COM FERVOR
                            PARA SUA MAIOR GLÓRIA.

Dia 7 de junho de 2014 no IX CONGRESSO do
SPORTING CLUBE DE PORTUGAL
José Garção Ribeiro Branquinho- Delegado n.º 151- Sócio n.º 1.769-0
Diretor do Departamento de Cultura e Recreio do
 SPORTING CLUBE DE PORTUGAL.

                          


SAUDAÇÃO QUE FIZ NO CONGRESSO DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL- DIA 7 DE JUNHO DE 2014

       



GLÓRIA  AO  SPORTING

 GLÓRIA  À JUVENTUDE RADIOSA
GESTA VALOROSA, IMORREDOIRA
QUE NOS PRIMÓRDIOS DA SÉCULO VINTE
O NOSSO CLUBE IDEALZOU E FUNDOU!

GLÓRIA A QUANTOS, COM SEU ESFORÇO
ENGENHO, CORAGEM INAUDITA
DEDICAÇÃO E DEVOÇÃO
O SOUBERAM CONTINUAR
LUTA SEM TRÉGUAS, ATÉ À EXAUSTÃO.

GLÓRIA AOS NOTÁVEIS DO SPORTING
QUE O PUDERAM TORNAR
COMO ERA DESEJO DOS FUNDADORES
MO MAIOR CLUBE DE PORTUGAL
NUM DOS MAIORES DO MUNDO
PELO ECLETISMO ÍMPAR
PIONEIRISMO DAS INICIATIVAS
 VERDADEIRA ESCOLA
DE SENTIDO HUMANISTA, UNIVERSAL
ONDE SE FORMARAM SUCESSIVAS GERAÇÕES.

GLÓRIA AOS QUE HOJE O REPRESENTAM
E DEFENDEM COM O ENTUSIASMO DO SEU QUERER
A FORÇA DA SUA PAIXÃO, DO SEU CRER
PERSPETIVANDO- O PARA O FUTURO
SUPREMA REALIZAÇÃO!

MEUS CAROS SPORTINGUISTAS!
TENHAMOS SEMPRE PRESENTE, ACIMA DE TUDO
O SENTIDO AGLUTINADOR
DA MÍSTICA QUE NOS ENVOLVE,
QUE NOS INTERLIGA,
SABENDO SER DIGNOS
DOS QUE O CLUBE NOS LEGARAM
UNINDO ESFORÇOS NUM SENTIR COMUM, GERAL
A BEM DO CLUBE AMADO
GLORIFICAÇÃO PLENA
DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL.

LISBOA, 7  DE JUNHO DE 2014
O DELEGADO AO IX CONGRESSO- N.º 151
Diretor do Departamento de Cultura e Recreio
José Garção Ribeiro Branquinho- Sócio n.º 1 769-0






terça-feira, 3 de junho de 2014

REFLEXÕES MINHAS





      REFLEXÕES MINHAS
Temos nesta Terra, por vezes, encontros que nos marcam, infelizmente nem sempre positivos, não nos deixando agradáveis recordações.
Quantas vezes, fartos de estar em casa no doce remansear do lar, nem que fosse para a escrita de um pobre rimance, saímos à procura de algo diferente para desanuviarmos um pouco, e depressa nos arrependemos da decisão tomada.
É bom sair, conviver (arejar, como vulgarmente se diz) e lá vamos na expetativa de assim quebrarmos um pouco a rotina caseira, ao fim de um ou dois dias de permanência entre as quatro paredes.
(Claro que isto só se aplica para quem como eu não tem obrigações a cumprir, estando aposentado e ainda com alguma saúde).
Descobre-se algo que nos desperta o interesse- um hobby- mas nem sempre há oportunidade de o por em prática e lá nos deixamos ficar retidos em casa a ver a TV ou a ouvir rádio, a ler o jornal, quantas vezes com pequeníssimo benefício.
Ainda se se tem o gosto pela escrita e/ou leitura, pelo desenho, pela música, pelo canto, ou por qualquer trabalho artesanal, encontra-se aí algum lenitivo que é preciosa ajuda e lá aliviamos a pressão. Mas, às tantas, há mesmo a necessidade de sair.
Nem sempre se é mal sucedido ao sair- não quero nem devo cair nesse exagero- mas, por vezes, diz-se:- “mais valia ter ficado em casa"!
Não melhorámos a situação, antes a agravámos!
Mas vá lá saber-se antes?!
Conheci e conheço pessoas que até afirmam:- “ Boas festas faz quem em sua casa está em paz”. Negam-se a ir a alguns sítios e a eventos para que são convidadas, começando aí, sem se aperceberem, as superstições e os medos, especialmente em pessoas menos jovens, com a agravante de quanto menos saem menos desejam sair e mais arruínam o seu estado físico e anímico.
Comecei por dizer que nem sempre aprendemos ou melhoramos a situação, mas longe de mim a ideia de advogar o afastamento duma vida em sociedade!
Por vezes, aprende-se até nas circunstâncias mais inesperadas e desagradáveis, pois o mundo não é só céu azul nem jardins floridos ou mar calmo, embora se diga que o nosso Portugal é o tal jardim à beira-mar plantado…
Somos um animal social e não devemos eximir à franca convivência, alternando com os nossos momentos de reserva, para encontrarmos o tal meio-termo, que, dizem os entendidos, é onde está a virtude.
Desde que nascemos estamos em constante aprendizagem com os outros. É, pois, verdadeiramente essencial o contacto com as pessoas que vivem no nosso meio e com as outras, aproveitando o que as modernas técnicas de informação nos permitem.
Portanto, amigos que porventura me venham a ler, nada de nos fecharmos na nossa concha.
Aprender até morrer, como diz o ditado popular. E, confraternizando fraternalmente, seria essa uma forma ideal de vida, sem estarmos à espera de só no Céu a desfrutarmos, pois, entre os que acreditam, não conheço nenhum que queira ir para o inferno.


Quinta da Piedade, 3 de junho de 2014
JGRBranquinho