quarta-feira, 31 de agosto de 2011

TEXTO INCOMPLETO


Meu Deus! Meu Deus! Porque sou assim?!
 -Estou feliz e não sou capaz, sequer, de o demonstrar!
Estou feliz mas com uma sensação de alegria insatisfeita e incompleta, que não sei descrever. Que talvez não possa declarar...
Porquê?
Sinto-me feliz, mas não totalmente, porque não posso partilhar esta felicidade!
É, assim, uma felicidade incompleta, só vivida por mim, num segredo absoluto.
O amor acontece e o que parecia ser, não é o que se desejaria fosse!
Quereria poder gritar ao mundo, "aos quatro ventos" esta alegria íntima que me domina.
A verdadeira felicidade só o é se a partilharmos-  é voz corrente.
Queria que soubessem como estou feliz, mas as convenções... Ai, as convenções!
Porque é proibido amar alguém que é móbil dos nossos sonhos?!
Há regras...-  dirão alguns.
Que me importa? - ( Dizia para si mesmo para se encorajar!)
Amar uma mulher com todas as forças, com toda a veemência dos meus sentidos e ter que calar este sentimento verdadeiro!
Declará-lo à pessoa amada, começou por ser um embaraço, receando ser mal compreendido.
Veio o recurso à escrita, seguido do anseio da resposta, até da dúvida do aceitar daquela declaração/verdade.
Que sofrimento!
Que ansiedade!
Será que houve precipitação?- pensava temeroso.
Dias que pareciam nunca mais findar, mas também com o medo terrível da resposta negativa, mesmo tendo uma réstia de esperança por motivo de situações anteriores que motivaram o escrito.
Finalmente...  veio a resposta! Sim, veio a resposta mais desejada, confirmação da empatia por que esperava e ao mesmo tempo receava.
E... agora?- Agora era a loucura total! Como calar? Como calar essa alegria por que tanto aguardava?!
( "Já deveria ter pensado que não lhe negaria esse pedido"!... )
-Assim "rezava" um dos períodos da missiva- abençoada missiva, agora em suas mãos e que guardava religiosamente no bolso falso do casaco, do lado do coração.

NOTA:-Texto a rever e a completar.
JGRBranquinho

terça-feira, 30 de agosto de 2011

A DEUSA QUERIDA


Vivo a cantar-te
- meu arrimo- minha vida,
Por um sentimento,
de todos o mais puro!
Estás longe, minha vida,
 mas  te asseguro
Seres tu- do meu altar
- a deusa querida.

 Vivo há muito a cantar-te
em pobres versos!
Quero mostar-me,
 através deles, por inteiro.
Jamais, meus intentos,
 foram dispersos!
Sempre, o querer por ti,
puro, verdadeiro.

Sofri e sofro na ausência
de teu rosto lindo.
Por vezes te encontro,
 em tantas que o desejo!
É esse, constante,
 meu mais forte almejo!
E... não te encontrar...
meu martírio infindo.

JGRBranquinho

CONFISSÃO ( II )

Meu lamento
é não te ter comigo
Nas boas
 e más horas desta vida.
Uma ambição
em mim, jamais, contida!...
Por tanto querer-te- Amor-
e o não consigo.

Lamento não conhecer-te
noutra idade
E bendigo o dia
em que agora aconteceu!
Foi o melhor que Aqui
me sucedeu,
Confesso-te, Amor,
a minha felicidade.


 Não é aceite, por nosso mal,
o nosso amor,
Ó bela flor
que perfumaste a minha vida!
Trouxeste nova alegria
à minha lida
E Hoje és tu, senhora,
o meu grande Amor.

JGRBranquinho












segunda-feira, 29 de agosto de 2011

S Ó













Só tu, com teu sorriso,
 me enterneces!
Só tu, com teu olhar,
me inspiras tanto!
Só tu, com teu encanto,
 me enlouqueces!
Só tu, com teu amor,
fazes meu canto.
Só eu- linda mulher-
te amo como mereces!
Só eu, a todo o momento,
te desejo e quero!
Só eu quero ter
 o bem que ofereces
Só eu- crê-
te amo assim e te venero.
Só a ti- mulher-
eu quero por companheira,
Só a ti eu quero amar
 a vida inteira,
Só contigo, no mundo,
quero viver!
Só eu- Flor-
anseio por ti a toda a hora!
Só eu sei
 como minha alma te adora!
Só eu conheço
a dor de te não ter.

JGRBranquinho





VOU AO TEU ENCONTRO


Vou ao teu encontro à hora combinada
Onde espero que me esperes com amor.
Um primeiro olhar e um sorriso, Amada,
São bálsamo que suavizam minha dor.

Tão perto ali, em tua janela, debruçada,
Uma tentação me assalta com fervor!
Aproximar-me de ti, ouvir tua voz ciciada,
Poder abraçar-te e sentir o teu calor.

Resistir...custa tanto, tanto, minha  Flor!
É um anseio fruto deste singular amor
Gerado em meu ser, por ti, bela mulher!

Um dia... verás quanto pode um coração
Remoçado por te ter e amar, minha paixão,
Oh! radiosa luz- bênção do meu viver.

JGRBranquinho




domingo, 28 de agosto de 2011

NOITE QUE NÃO FINDA


Ah! quantas vezes te lembro- meu Amor!
Quantas recordações em mim perpassam!
Quantas saudades dum tempo em flor,
Quantos pensamentos em mim esvoaçam.

Quantas vezes nesta noite que não finda!...
De insónias longamente atormentado,
Eu senti, desperto, tua imagem linda
Por um amor que meu peito tem guardado.

Quantas vezes, na consciente realidade...
Esquecido de mim mesmo, me senti
Tão triste, minha eterna sedução !

Quantas vezes- Flor- chorando de saudade,
Sofrendo em tua ausência, clamei por ti
Meu sonho de venturas- minha redenção.

JGRBranquinho



MUSA AMIGA

És- mulher-
todo o meu encanto!
Musa amiga
a inspirar-me sem cessar.
És tu, sim,
quem vive no meu canto.
Por ti,
meu peito anda a pulsar.

Tenho, por ti,
o amor mais forte!
Como em minha vida
 jamais senti!
É, do meu pobre ser,
melhor suporte
Numa alegria
como jamais vivi.

Tenho a certeza própria
de quem ama,
Inaudita fé
de poeta sonhador!
Na ausência...
saudade/viva chama
Dentro da minha alma,
 meu Amor.

JGRBranquinho

sábado, 27 de agosto de 2011

QUERO - TE ALEGRE

                                           











 Vejo-te triste-  meu AMOR- e terás tua razão!
 Só que... por te ver, me sinto triste, também.
 Se depus em tuas mãos meu coração
 O que em ti acontecer... me sobrevém.

Vejo-te triste e sem força para lutar?!
Deves ter em conta a tua própria vida!
Que não esmoreça o amor que tens p'ra dar
Em troca do que te dou- mulher querida.

Quero-te alegre e corajosa- Musa amada!
Com esp'rança em melhores dias na jornada,
O azul do céu sem mancha ou nuvem escura!

Quero ver-te bem disposta, confiante no amor
E nesta enorme fé do teu poeta sonhador
Cujo amor por ti, p'ra sempre, em si perdura.

JGRBranquinho




S A B E S











Sabes que te amo- meu Amor,
Com toda a força do meu coração!
Que a toda a hora- querida Flor,
Te desejo em mim- minha paixão.

Sabes que só por ti- esp'rança radiosa,
Eu sei que sou capaz de ser melhor!
Que é por ti- oh! mulher formosa,
Que eu sinto arreigado, tanto amor.

Sabes como sofro se estás ausente,
Que te quero-  Amor- sempre presente!
E por ti é constante, meu pensamento.

Sabes que te espero para me alegrar,
Que em meu canto, por ti, vivo a cantar
E não te poder ter... meu maior tormento.

JGRBranquinho

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

DITOSOS MOMENTOS



Decorria calma, a tarde,
ante uns olhos amorosos,
Num rosto lindo
que outros olhos contemplavam!
Eram, de suas vidas,
os momentos mais ditosos,
De dois corações
a prova de que se amavam.

A uma mesa circular,
sentados, ambos sequiosos,
Dois seres, por amor,
se encontravam.
Em ambos, alguma timidez,
mas... venturosos
Nas breves palavras
que entre si trocavam.

Juntos, nessa tarde
que Deus abençoou,
Sentindo a emoção
que eu seus rostos se aflorou,
Pareciam sonhar
o que realmente viviam!

Graças, meu Pai,
porque permitiste
Que se realizasse um desejo
que em nós viste
E há tanto tempo
nossas almas, já sonhavam.

JGRBranquinho




OS TEUS ESCRITOS ( II )




Os teus escritos... testemunham teu valor!
Vêm suavizar um tanto o meu sofrer.
Neles encontro- dia-a-dia- novo prazer
Fruto deste querer maior- meu Amor.

Aguardo-os, impaciente, mas esperançado.
Quando chegam, são alegria sem medida!
Vejo neles- senhora- a tua alma reflectida,
Esvai-se a própria dor do poeta amado.

Quero-os sempre- mulher- não os escondas
Do homem que te quer com convicção
E por ti canta- cada dia- apaixonado.

A este escrito meu, espero... respondas
Brevemente, aberto teu nobre coração
A quem te escreve- o teu poeta amado.

JGRBranquinho

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

ONDE O CORAÇÃO SE APERTA E A ALMA CHORA !



Amando-te, meu segredo,
Estou contigo ao lembrar-te
 em cada hora!
Suplício longo,
qual degredo onde o coração
 se aperta e a alma chora.
Por ti sonho, continuo a sonhar!
É a ti que sempre vejo
nesses lugares de encantamento
onde a saudade mora.
Onde o pensamento se demora,
Por que esta alma chora.

Saudade dum passado que foi meu.
Que foi nosso, meu Amor,
por um amor altivo.
Dum amor que se perdeu?!
Jamais!!!
Que não morreu e permanece
eternamente vivo!

Benditos sonhos
 que me torturais...
Que em mim habitais
 dia-a-dia!...
Sede sempre
 minha companhia...
Sede sempre iguais!

JGRBranquinho

RECEOSO ANSEIO

Hoje, pude ver-te mais cedo- Musa amada,
Mas tão breve foi o tempo de te olhar
Após dois dias, como sempre, recordada
Em minha pobre mente, por tanto  amar.

Pude ver-te, mas sentir-te atarefada  
Sem mesmo, quase, te poder falar! 
Não quero imaginar-te de mim distanciada
E a dor de te vir a perder, a aumentar.

Não quero ver-te assim- ó minha Flor!
Quero poder sentir sempre o teu amor
A coisa melhor para mim, neste mundo.

Não quero sentir-te, nunca, indiferente!
Quero ter-te bem perto, frente-a-frente
Gozando nosso amor- o mais profundo!

JGRBranquinho

DUVIDANDO


















Existe, acaso,
essa mulher que eu amo?!
Existe, no Mundo,
esse ser risonho?!
Existe esse alguém
que eu reclamo?!
Foi tudo fruto
duma visão de sonho?!

Pobre de mim
que julguei encontrar-te- Amor!
Pobre de mim
que sonhei possuir-te...
Possuindo-me!
Ai, pobre de mim!

Que louco eu fui- Amor-
Julgando ter-te!
Que loucura
Ao pensar-te minha
Por sentir-me teu,
Se não do corpo...
Se não aos olhos
 dos que nos cercam
E nos vêem materialmente...
Ao menos- meu Amor-
Aos olhos de quem vê
dentro de nós mesmos.
Do que vê dentro da nossa alma.
.
Se hoje foi um dia terrível...
Mais terrível aquela hora!
Mais esse minuto desastroso
de hostilidade brusca, quase louca!
Parecendo querer quebrar os laços
que se fortaleceram em quase mil dias,
desde a vez primeira.
Desde que te vi e logo te senti,
me impressionaste
e inspiraste tanto, Amor!
A profecia de que falava,
 (talvez mesmo sem querer acreditar)
não me querendo convencer...
Parecia cumprir-se ali
para meu desencanto.

Nota:- Tem continuação


JGRBranquinho

FICO À TUA ESPERA


Eu queria "só"... apenas... amar!
Sem angústia, tristeza ou medo.
Do nosso amor poder falar,
Dizer... é forte como o rochedo.

Eu queria o Sol no meu caminho
Sentir, com calor e emoção.
Tuas meigas mãos, plenas de carinho
Afastarem de mim, a solidão.

Fecho meus olhos tão cansados!
Sonho! Tu e eu tão afastados!
Não há mais sol, não há mais flor.

Tu- Amor-  eras tudo para mim!
O Mundo destruiu nosso jardim
Mas eu fico à tua espera, meu Amor.

(Recebido de alguém )

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O PRIMEIRO PENSAMENTO

É para ti o meu primeiro pensamento
Manhã cedo, mal acordo e me levanto.
Estamos mais perto a partir desse momento
É mais fluente esta força do meu canto.

Não é tão triste, tão sentido o meu lamento.
A proximidade me envolve com seu manto!
Em meus versos se oculta meu tormento
Porque tu estás comigo, meu encanto.

Estás comigo?! Estou contigo virtualmente...
Mas nesta ilusão sou menos infeliz, Amada!
Vou procurar-te, agora, alvoroçadamente
Sem saber se te encontrarei, Musa adorada.

Terei a sorte p'lo meu lado, minha saudade?!
Quantas vezes, já te procurei e não te vi?!
O perigo que enfrentamos é dura realidade
Mas eu arrisco tudo na vida, só por ti.

JGRBranquinho




RECORDAÇÕES TUAS














Falam de ti- Amor-
os postais que me entregaste
Na relação que lhes descubro
 com o teu viver.
Falam de ti
e dos lugares em que te criaste
E onde, por infelicidade,
 te não pude conhecer.

Falam-me de ti-
-o que aumenta o seu valor!
Apego-me a pensamentos
 que me fazem viver!
Sinto-os!
Vejo-te em teus verdes anos, Amor,
Na saudade dum tempo
 que te sonhei ter.

Quero-lhes mais
 por virem de tuas mãos queridas.
Gosto de apreciá-los!
 Estou, assim, mais perto de ti.
Tenho-os comigo!
 Presenças tuas, muito sentidas,
a acompanhar-me aqui.

JGRBranquinho


terça-feira, 23 de agosto de 2011

À DESCOBERTA DA MINHA CIDADE





Minha CIDADE! Como estás diferente!
Como te vejo linda de um encanto novo que não supunha escondido- as tuas belas e vetustas muralhas da era medieval!
Mantens aquela beleza que admirei nos meus tempos de infância e juventude, mas tens agora um cunho de beleza como não imaginava e me tocou e atraiu, como se quisesses- minha PORTALEGRE-  mostrar-te a meus olhos na tua originalidade, na primitiva traça que eu não conhecia e o mau ordenamento dos homens escondeu durante anos.- AS TUAS BELAS E VETUSTAS MURALHAS.
Há, agora, duas faces:- a da minha recordação dos tempos em que me acolheste com minhas preocupações estudantis e também divertimentos desportivos, com as tradicionais festas e feiras e Cortejo de Oferendas entre os teus muros, tanto do meu agrado ,com meus amores primeiros e início da minha vida de trabalho docente- Escola da Fontedeira- e esta CIDADE de Hoje, bem amuralhada e bem cuidada, acompanhando o progresso, sem perda dessa ancestral identidade.
Foi como que uma viagem no tempo ao encontro das tuas primícias- da tua juventude que, como por artes mágicas, outros homens bons deram a conhecer, valorizando-te aos nossos olhos.
Que felizes os teus filhos do século XIII que tiveram a dita de em ti verem decorrer os seus dias!
Que felizes se sentiriam-  Hoje- se de novo em ti se pudessem acolher!
Como eras bonita! Como estás bonita! Como serás ainda mais bonita quando se completarem as obras de restauro- que sei, irão continuar- mostrando-nos como foste nos teus tempos áureos!
Oxalá os responsáveis continuem atentos a uma correcta recuperação, agora, claro, com um outro movimento citadino e, portanto, aberta às novas exigências do nosso tempo, o que não será tarefa fácil.
Confio que, pelas provas já dadas, saibam respeitar a tua originalidade, modernizando-te de acordo com as exigências da vida actual.
Quero crer que assim será, abrindo as tuas portas a todos os que te procurem e assegurando, igualmente, permanência activa e progressiva aos teus filhos, no sentido do teu engradecimento, para bem de todos.
Assim voltarás a ser-  QUERIDA  PORTALEGRE !
-  A  NOSSA CIDADE/ MÃE,  QUE TANTO AMAMOS.

NOTA:-Este texto poderá  não ser ainda, o definitivo.
JGRBranquinho


RECORDAÇÃO PRIMAVERIL














A ti, senhora,
que meu estro inspiraste,
Louvores eu rendo
por tal valor e bondade.
Incitamento de afável doçura
que me avivaste a lembrança
 da perdida mocidade.

Humana dádiva!
Divina de sentido que enternece!
Alvorada linda
que o meu mundo, vivifica!
Matinal acordar
que os meus dias enriquece...
Sendo um instante breve...
tão breve!...
Em mim... duradoiro fica.

Recordação primaveril
que em mim permanece,
Mostrou-me o meu passado
fulgurante!
É supremo bem
que jamais se esquece!...
A tua imagem sedutora,
cativante, deveras cativante.

JGRBranquinho







segunda-feira, 22 de agosto de 2011

OS TEUS ESCRITOS












CANTA , FLOR DE AMOR















Canta- alma de poeta- flor de amor!,
A inspiração que sentes por teu sol.
Não escondas, em ti mesmo, teu valor
Trá-lo à luz do dia nas cores do arrebol.

Adoro ler- algo tímidos- teus poemas
Fruto da inspiração que julgo que te dou.
Ligamo-nos mais, porque esses fonemas
O teu estro, por mim- senhora- interligou.

Revejo-te nos meus! Quero rever-me nos teus...
Dádiva de um coração a outro coração!
Amor mais puro, pago com puro amor.

Minha Flor! Tenho-te como a um deus!
O mundo sem ti, não tem significação,
Rosa branca em meu retábulo de dor.

JGRBranquinho

RECORDANDO ESSE ENCANTO













Separámo-nos ainda há pouco e fiquei triste,
Ó meu Amor, minha esperança mais querida!
Trouxe, desse encontro, a certeza que sentiste
Algo dessa alegria em mim, ali sentida.

Estivémos juntos na manhã de Sol radioso
Sempre amigos, com o amor em nosso olhar.
Os meus olhos, em teu rosto tão formoso
Muito fitos, p'ra esse encanto desfrutar.

Estavas, como sempre- Musa- tão bonita!
Única mulher por quem canto o meu amor,
A maior bênção que Deus me concedeu.

Meus dias, sem te ver, são só desdita!
O amor por ti, sublima o seu valor,
Recordando esse encanto que é só teu.

JGRBranquinho

SEMPRE VIVA NO MEU CANTO













Olho o teu corpo- minha alegria,
Sentindo-te tão perto- meu Amor!
Suaviso, um pouco, esta nostalgia
Numa ausência triste- minha dor.

Olho~te! Penso se é verdade
Esta graça de te ter comigo!
Raros momentos de felicidade
Que tão poucos posso ter contigo.

Vejo-te perto! Quero abraçar-te!
Sentir-te juntinho ao coração.
Se vivo só para amar-te...
Porque não ter tal permissão?!

Amo-te muito, mulher querida!
Tu sabes, pois to confessei.
Só por ti, constante, esta lida
Pois foi a ti que me consagrei.

Sim, desde que te conheci,
Te falei e ouvi p'ra meu encanto!,
Não mais, perto ou longe, te esqueci!
Estás sempre viva no meu canto.

JGRBranquinho

domingo, 21 de agosto de 2011

UM POSTAL VIVO


Um clarão de luz solar intensa
sobre a campina juncada de flores silvestres- as mais variadas!
Um criança, correndo,
procura o domínio do corpo e, simultaneamente,
do seu brinquedo preferido- um balão colorido-
que segura por um frágil cordel,
sob o impulso forte do vento que se faz sentir.
Corre e grita de alegria!
Exulta e sorri,
como que procurando a sua afirmação de liberdade
naquele lugar sem muros, sem fronteiras!
Em contacto com a Natureza,
esquece as limitações da vida na grande Cidade
e abraça esta oportunidade que os pais lhe deram
e que talvez não esperasse,
ao sair de casa naquele domingo de Verão,
para almoçar fora.
A tarde começa a cair!
Os pais chamam-na insistentemente e... é o desencanto!
Chamada à realidade, volta contrariada,
aceitando mal humorada o regresso a casa.
Tem que ser! "O que tem que ser, tem muita força"!
Tem toda a força- direi eu.
Agora, é só esperar por um novo fim de semana.
Mas... ainda vem tão longe!- pensa ela.
Talvez lhe esteja reservada outra oportunidade agradável.
Quem sabe?!
Os pais já projectam outro fim de semana,
prometendo não a desiludir.
A criança, impaciente, procura uma resposta.
"Tem paciência!"- vamos tentar!
Os pais não revelam logo,
tudo o que estão a preparar.
É este o seu papel.
Mais tarde... muito mais tarde, talvez,
a criança recordará estes dias e virá a compreender.
Agora... é só sonhar com outro dia como este
e... aceitar.
Quinta da Piedade, 21 de Agosto de 2011.
JGRBranquinho




PARA TI, MÃE

Para ti-  querida MÃE-
neste teu dia,
As palavras simples
 do meu canto!
Sentidos desejos
que eu queria...
Duma vida tua, alegre,
não de pranto.

Para ti- querida MÃE,
bênçãos de Deus
Em cada hora desta vida!
Uma oração, plena de fé,
dirijo aos céus,
Por ti, que és sempre
minha lida.

Para ti- querida MÃE,
o meu abraço amigo
Bem sentido
nesta data abençoada!
E a Santa Protecção de Deus
em tua vida,
Eu veja, cada dia,
 sempre renovada.

JGRBranquinho

QUIS VER- TE

Quis ver-te, hoje,
dominado pela saudade!
Tormento do meu estar
 longe de ti.
Cruzou-se, então comigo,
a infelicidade
Porque neste dia, tão triste,
Amor!
Eu não te vi.

Procurei-te!
Fui à tua rua- minha claridade!
Esperei!
Nem sombra de ti
ali senti!
Não queria aceitar
tal realidade.
E só Deus sabe-FLOR-
-quanto sofri.

Chorei no meu refúgio
em amargura,
Lamentando a situação
que inda perdura...
Qual castigo
plos pecados que já fiz.
Rezei por nosso amor
co'a fé inteira,
Vim escrever-te-
-minha amada verdadeira!
E vejo...
que já não sou tão infeliz.

JGRBranquinho

sábado, 20 de agosto de 2011

AI , SAUDADES !

Ai, saudades- minhas tristes companheiras
Que há tanto, já- aqui-  me acompanhais!
Ai minhas horas tristes- sempre as primeiras
Neste viver de dor, soltando meus ais.

Ai horas d'alegria que em tempos já senti
Que recordo a sós com a maior saudade!
Ai momentos de encanto, tão perto de ti
Num tempo bom, lembrando a mocidade.

Ai chuva de ricas bençãos que tanto amei
E senti em meus sonhos de pura ilusão!
Ai venturas minhas como hoje vos lembrei
E  revivo ainda- aqui- nesta solidão.

Ai tempo de te ver que é já tão distante
E relembro aqui longe, a toda a hora!
Ai amor puro- tão simples e edificante
Por quem hoje minha alma ainda chora.

Ai  meu tempo presente- constante tristeza!
De lembranças vivendo, longe desse alguém.
Ai tempo- alegria de nos vermos- infinita reza
Que eu faço por ele, meu adorado Bem.

JGRBranquinho

QUANDO TE CANTO - ALENTEJO !

Quando te canto, meu Alentejo muito amado,
Saudoso do teu sol, desse teu ar diferente!...
Ilumina-se um pouco mais minha débil mente...
Sou um teu poeta muito amigo, enamorado.

Quando eu te canto, meu sentir é redobrado!
Por ti... soltam-se esta alma, este coração.
São os momentos de mais forte exaltação
Que posso viver-  aqui longe- amargurado.

Quando  eu te canto, canto o pão sagrado!
Celeiro que foste, que há-de ser recuperado
Para bem dos filhos qu'ridos do teu Portugal.

Ah! gente responsável, gente trabalhadora!
Avança breve na transtagana salvadora
Tornando-a, de novo, numa terra sem igual.

JGRBranquinho

ESTA TARDE- AMADA (acróstico )

Esta tarde- Amada- não mais a esquecerei!
Será sempre marcada por infinda saudade.
Todos os meus dias- Aqui- a relembrarei
Até à hora de partir para a  Eternidade.
Teu porte distinto, tua venerada  imagem,
Angelical, pura e linda, que eu tive ali,
Rara ventura na aventurosa viagem        
Desta vida atribulada que se tem, Aqui.
Era um pouco de Céu o que tive contigo:
A tua querida presença sempre desejada
Mais que tudo na vida- uma Graça de Deus!
Ai, quem me dera que de novo comigo
Decorressem tuas tardes, como esta- Amada,
Até ao fim da carreira- num último adeus.

JGRBranquinho

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

AI , MEU ALENTEJO !

Ai, minha amada terra,!
Ai, meu Alentejo!
Meu berço amigo
Meu doce encanto.
Minha província adorada
meu maior desejo
Sempre bem presente
 no meu canto.

Ai, minha querida terra!
Ai, meu Alentejo!
Na distância tua,
amargo pranto.
Voltar a ti- Mãe -
mais feliz ensejo!
Almejado anseio
 já há tanto, há tanto!

Aí conheci os melhores
momentos desta vida.
Quantas saudades
desses tempos de criança!
Serás sempre a minha terra
 mais querida,
Em ti, tenho posta
 a minha esperança.

JGRBranquinho



segunda-feira, 15 de agosto de 2011

MEU MAR DE BONANÇA

És o meu mar de bonança
- calmo mar-
Que nesta praia olho
 contemplativo!
Onde quero mergulhar
 p'ra melhor te amar
Neste anseio de ti
- meu maior motivo.

Oh! meu mar de bonança
- minha sedução!
Sinto-me outro,
aconchegado a ti.
Sonho-te na lonjura
- és minha sedução
Neste fugaz Verão
 que por ti vivi.

Oh! meu mar de bonança,
Como  te quero!
Amo-te neste meu amar!
Como te venero
E queria ter-te
a inundar-me dia-a-dia!

És meu mar de bonança,
meu sonho de criança!
Em ti- meu mar-
todo o bem se alcança!
Contigo, por amor de ti,
eu mais existia.

JGRBranquinho




sábado, 13 de agosto de 2011

SALVE , "LEONINA" GENTE ! (acróstico )


















Salve "leonina" Gente, por seu real valor!
Alvorada de luz- a mais distinta claridade!
Lídimos servidores! Do SPORTING, maior fulgor,
Verdade cristalina- suprema realidade-
Exemplo bem vivo de inflamante amor.


"Leonina" Raça, hoje, aqui, agraciada,
Está no nosso Clube para bem servir.
O esforço e dedicação são prova dada,
Não se olvidará no SPORTING do porvir
Imortal sentir em cada dia da jornada!
Não há dedicação maior- maior sentir
Ao serviço da Bandeira Verde, Amada.


Gente nossa! Modelo! Chama crepitante!
Entusiasta e firme- brilhante- qual fanal.
Neste tempo, gesto digno, bem marcante,
Tiveram "Os STROMP"- homenageando
Exemplos de amor maior ao
      SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!


José Garção Ribeiro Branquinho-Sócio n.º1769-0
Director do Departamento de Cultura e Recreio
do Sporting Clube de Portugal.








ESTOU CONTIGO - FLOR ! (acróstico )

Estou contigo- Flor! Raro o teu perfume!
Sentido o encanto que só em ti senti.
Tuas mãos nas minhas, aquecem como lume!...
O coração se inflama de amor por ti.
Uma lembrança tua, é luz que me ilumina,
Coragem inaudita que me faz acreditar.
Onda maior que é minha água cristalina
Nos meus dias, nostálgico de te olhar.
Trago-te- Flor- na lapela do meu peito
Íntmo tesouro com lugar no coração!
Gerou-se em mim, este amor perfeito
Obra-prima da mais rara condição.
Falo contigo, sozinho, tão distante, aqui!
Leio e releio meus versos c'o maior fervor.
O teu corpo lindo, quero junto a mim,
Rosa preciosa de requintado olor.

JGRBranquinho

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

UM ANSEIO MEU

Cantar-te-ei em meus poemas, por amor,
Em cada dia que Deus me der de vida!
Cuidar-te-ei em cada hora, minha Flor,
Sentindo que é por ti a minha lida.

Sentirás, em teu  coração, todo o calor
Do amor que por ti sinto- mulher querida?
Sofrerei por ti, crê, onde quer que for
Sentindo-me tão só, pela partida.

Sofrerei de cada vez que fores embora
Sentindo-me mais só em meu cuidado.
Esperar-te-ei, ansioso, em cada hora,
Na esp'rança de estar de novo a teu lado.

Olhar-te-ei como deusa a quem se adora
Num altar por minhas mãos edificado!
Rogarei a Deus que nos junte, embora
Acitando Sua decisão, como Pai amado.

Com fé, com coragem, firmemente
Confiado que essa graça há-de surgir...
Poderemos, então, senhora, alegremente,
Em nova vida, nosso amor poder fruir.

JGRBranquinho

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

EXALTAÇÃO DO SPORTING


           EXALTAÇÃO DO  SPORTING

CAMISOLA VERDE E BRANCA,  AO PEITO O LEÃO,
ENTRAM OS JOGADORES GARBOSOS, APRUMADOS!
SOAM MAIS APLAUSOS, BATE MAIS O CORAÇÃO
ESTÃO TODOS OS OLHOS NELES CONCENTRADOS.

COMEÇA O JOGO! O ENTUSIASMO AUMENTA!
HÁ QUEM DESFALEÇA, TÃO FORTE A EMOÇÃO.
SUCEDEM-SE OS LANCES... CADA QUAL COMENTA!
É CADA VEZ MAIOR, A NATURAL EXALTAÇÃO.

INQUIETA...QUER O GOLO, A MULTIDÃO SUSPENSA!
HÁ INCITAMENTOS PELO AR, SÃO TODOS A SOFRER.
NINGUÉM ARREDA PÉ NAQUELA MOLE IMENSA,
SÓ A VITÓRIA INTERESSA, NINGUÉM SONHA PERDER.

SURGE-  ENTÃO-  O GOLO DA NOSSA VITÓRIA.
HÁ ALEGRIA A RODOS- SAUDAÇÕES SEM PAR!
ALI SE FORTALECE NOSSO ORGULHO, NOSSA GLÓRIA,
NUMA CAVALGADA QUE NINGUÉM VAI PARAR.

ACABA O JOGO! HÁ VIVAS, ABRAÇOS EM PROFUSÃO.
NOS ROSTOS, ALEGRIA INCONTIDA E SEM IGUAL!
EXULTA, EM PLENITUDE, CADA FORTE CORAÇÃO:
É A VITÓRIA,  SPORTING CLUBE DE PORTUGAL!

JGRBRANQUINHO-Sócio N.º 1769
Director do Departamento de Cultura e Recreio do
SPORTING  CLUBE DE PORTUGAL

UM SONHO - UM IDEAL





TRAGO, EM MEUS VERSOS, UM SONHO-  UM IDEAL!
ANSEIO DE CLARO SOL EM CÉU QUE ENCANTE.
NA PLANURA VERDE, O NOSSO LEÃO RAMPANTE
VITORIOSO, COMO OUTRORA,  MAIS REAL.

TRAGO, EM MEUS VERSOS, A SEDE SEM IGUAL!...
DESEJO MOR DE UM SPORTING TRIUNFANTE.
DIGNO DE UM  PASSADO- O MAIS BRILHANTE!
QUE SE AFIRMOU PARA ALÉM DE PORTUGAL.

TRAGO, EM MEUS VERSOS, A RADIOSA ESP'RANÇA
LEGÍTIMA EM QUEM LUTA E JAMAIS SE CANSA
FAZENDO JUS A UM TÃO VALIOSO HISTORIAL.

TRAGO, EM MEUS VERSOS,  ALIADA ENCORAJANTE,
- A FÉ SEMPRE BEM VIVA- SEMPRE PALPITANTE!,
NO GRANDE SPORTING CLUBE DE PORTUGAL.

Lisboa,  8 de Agosto de 2011
José Garção Ribeiro Branquinho-Sócio n. 1769
Coordenador do Departamento de Cultura e Recreio
do SPORTING CLUBE DE PORTUGAL.

domingo, 7 de agosto de 2011

ÀS VEZES ( II )














Às vezes...
Às vezes recordo momentos de dias importantes:
-Sol primaveril, em estado de alma triste!
Vivências minhas de tempos, já, distantes,
Encantado sonho que em mim resiste.

Zombam de mim?
Pouco me importa!
É bom lembrar instantes de aventura,
Segredos meus, força que a alma exorta!
Actos de amor, suma ventura,
por todo o meu ser- os mais sentidos!
São sedução maior, atracção total,
Vibrantes de euforia sem igual!...
Encontros de vida- os mais queridos.

Zombam de mim?
Porquê, se é verdade?
São estados de alma, luminosa claridade!
Sentimentos fortes,
em mim, jamais, esquecidos!
Por mim, jamais, vividos.

JGRBranquinho
                                     

ALMEJADO FIM

Olhar-te!
Ver-te- senhora, a toda a hora-
 por estar contigo!
Ajudar-te e viver contigo
vida melhor!
Teu companheiro, naturalmente,
 muito amigo,
Conhecendo teus anseios
 bem de cor.

Olhar
contigo, na mesma direcção,
Gesto espontâneo de igual amor!
Sentirmos-  lado a lado-
no bater do coração,
A chama sempre viva
que alumia e dá calor.

Olhar para ti,
primeiro que tudo, minha vida!
Encantar-me na visão de sonho
que és para mim!
Ter o prazer maior e sem medida!...
No espaço que em ti percorro,
meu almejado fim.

Olhar-te bem nos olhos!
Ver-te, nesses momentos, sorrir-
-o que em meus versos canto!
Encher minha alma
dessa alegria por sentir.
Por que Ontem lutei!,
E Hoje...  é apenas pranto,
Senhora do meu encanto.


JGRBranquinho

sábado, 6 de agosto de 2011

MEU TRISTE FADO

Por vezes... os dias parecem não ter mais fim,
As noites, sem sono, são mar largo, mar maior!
Ai como é triste não sentir uma presença em mim!
Não ter um ombro amigo, no conforto do amor.

Vejo o nosso mundo, a própria vida, sem sentido!
Sou um deserto em mim mesmo, a cada hora.
Não tenho aquele amor único jamais esquecido
Uma saudade atroz, meu peito-  Hoje-  devora.

Quantas vezes lembro a felicidade que gozei!
Aquela era dum encanto real que desfrutei
E que, mal acordei, era longínquo passado!

Então... foram meus ais soando em desatino,
Foi o cumprir-se meu duro, meu cruel destino
Sem rumo certo, sem glória, meu triste fado.

JGRBranquinho